A vida acontece pra quem se arrisca

 Desde que comecei o blog, há dois anos, descobri que sou uma pessoa corajosa. Ao oferecer-me ao leitor, quase nua, em letras que traduzem minha vida e meu espírito, rompo uma barreira de juízos e precauções, e arrisco viver sem receio de tropeçar e cair, quase acreditando que posso ser melhor do que imagino.

 Habituamos a nos esconder. Preferimos as condenações aos vôos livres, e nos refugiamos numa vida segura e cheia de reservas. Nos reservamos o direito de calar, de pisar em terreno sólido e firme, de não correr riscos, de avançar dentro de um limite razoável. E esquecemos que o preço de tentar racionalizar tudo é viver pela metade, ignorando que a vida acontece e deve acontecer pra quem simplesmente se deixa em paz.

 Existe uma fábula que conta a história de uma galinha que vivia numa granja e se destacava entre todas as outras por seu espírito de aventura e ousadia. Não tinha limites e andava por onde queria. O dono, porém, estava aborrecido com ela. Suas atitudes estavam contagiando as outras, que já a estavam copiando.
 Um dia o dono fincou um bambu no meio do campo, e amarrou a galinha a ele com um barbante de dois metros. O mundo tão amplo que a ave tinha foi reduzido a exatamente onde o fio lhe permitia chegar. Ali, ciscando, comendo, dormindo, estabeleceu sua vida. De tanto andar nesse círculo, a grama dali foi desaparecendo. Era interessante ver delineado um círculo perfeito em volta dela. Do lado de fora onde a galinha não podia chegar, a grama verde; do lado de dentro, só terra.
 Depois de um tempo, o dono se compadeceu da ave pois ela, tão inquieta e audaciosa, era agora uma apática figura. Então a soltou.
 Agora estava livre! Mas, estranhamente, a galinha não ultrapassava o círculo que ela própria havia feito. Só ciscava dentro do seu limite imaginário. Olhava para o lado de fora mas não tinha coragem suficiente para se aventurar a ir até lá. E assim foi até o seu fim.

 De vez em quando agimos feito a galinha. Preferimos ciscar em nossa zona de conforto a ousar novos contornos. Nos amedrontamos diante de novas possibilidades e construímos círculos fechados onde podemos nos refugiar em segurança. Inventamos desculpas que nos convencem de nossa pouca habilidade e capacidade de sermos melhores ou mesmo diferentes, simplesmente porque não sabemos lidar com a quebra da rotina ou com a exploração de novos terrenos.

 É preciso uma boa dose de 'cara de pau' _ ou coragem de se expôr _ se quisermos existir de verdade. E recordo o candidato Tiririca, cuja falta de senso crítico o fez chegar onde desejava, ainda que sem preparo algum. Quantas pessoas  _ preparadas e cheias de talento _ deixam oportunidades passarem e sonhos serem arquivados simplesmente porque construíram círculos fechados em volta de si mesmos, com receio de expôr aquilo que realmente são, preferindo viver uma vida segura _ e limitada_ a viajar para novos espaços onde a grama é mais verde e o céu mais azul?

 2014 chega ao fim trazendo a promessa de novos dias pra gente escrever a história com sabedoria e jogo de cintura. Talvez seja a hora de nos percebermos capazes. De descobrirmos nossos talentos e aprendermos o poder da autoconfiança, sem subestimar nossos dons, mas aprendendo a usá-los com coragem, arriscando ser mais nós mesmos do que seríamos em nossos abrigos.

 Que em 2015 possamos nos deixar em paz. Que haja coragem de dar o primeiro passo, reconhecendo pouco a pouco que somos capazes de enfrentar os desafios sem medo dos tropeços que acontecem na vida de todos e de cada um. Que possamos romper a barreira do medo e da falta de esperança, descobrindo que também carregamos bençãos, dons que recebemos e poucas vezes temos a coragem de explorar. Que haja fé, esperança e otimismo, por um ano de menos desculpas e mais realizações...

 Feliz 2015!!!


                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES

(Imagem: Via pinterest, por Topit.com)

                                                                                                                       





 

  


Papéis amassados


 Estou lendo  "O irmão alemão", livro de Chico Buarque que mistura realidade e ficção numa obra em que relata a busca pelo paradeiro de Sergio Ernst, o irmão que só viria saber da existência aos vinte e dois anos, numa conversa trivial com Manuel Bandeira, em 1967.

 Chico nunca chegou a conhecer tal irmão, que passou a vida toda fora do país e chegou a estar sob poder dos nazistas. Porém, isso não diminuiu a inquietação e o desejo de reencontrar aquele que, através da ausência, existiu permanentemente presente dentro dele e de seu pai.

 Em uma das passagens do livro, o autor revela: "Pois ainda que meu pai aprenda todas as línguas e devore todas as bibliotecas do mundo, talvez seja incapaz de concluir a grande obra da sua vida enquanto não suprir essa pequena ignorância dentro dele..."

A gente tem que continuar...


 Algumas séries me fisgam pelas beiradas. São frases, ditas no meio de um episódio, que me levam a refletir os últimos acontecimentos de minha vida, e de repente estou apaixonada pelas personagens, feito a Teresa, de "Três Teresas", na noite de ontem. Lá pelas tantas, a frase: "O mundo da gente começa a morrer antes da gente... e a gente tem que continuar..." _ Pronto. Foi a deixa para meu pensamento voar, entender alguns desencaixes, suportar certas partidas, colocar algumas peças no lugar.

 A gente tem que continuar mesmo depois que o arroz queima, a água seca, o vinho entorna. A gente continua depois de descobrir que os defeitos pioram com a idade e as qualidades viram hábito no dia a dia. A gente tem que continuar depois do luto, da partida, da despedida, das horas frias, do caminho incerto. A gente continua e aprende a cantar "apesar de você, amanhã há de ser outro dia..." para o amor que não deu certo, para as falhas recorrentes, para nós mesmos que nem sempre somos aqueles que gostaríamos de ser. Apesar de nós mesmos, de nossas fissuras e desencantos, a gente tem que continuar...

Presentes

 Outro dia, distraída pela tevê, assisti a um episódio de "Três Terezas", seriado do GNT. Não lembro o título da história, mas era sobre o aniversário de dezoito anos da Tereza mais nova, filha e neta das outras duas Terezas. O episódio inteiro girou em torno da mesa de café da manhã e a reciclagem de vivências e histórias das Terezas mais velhas ao lembrarem os fatos ocorridos quando elas mesmas tinham dezoito anos. Houve troca de presentes, e a mãe deu a primeira página de jornal _ do dia do nascimento da filha _ enquadrada como lembrança. Tereza mais nova não gostou, achou histórico demais e preferiu o vestidinho que ganhou de Tereza avó. Mesmo não sendo seu estilo, o vestidinho tinha valor, pois fora feito pelas mãos da matriarca.

Flores em você

 Essa semana faltou-me inspiração. É claro que aconteceram coisas demais, o trabalho no Centro de Saúde que não pára, as demandas da aula de inglês do filhote, reuniões na escola, aniversário dos sobrinhos, rotina, trânsito, pacientes...

 E no meio disso tudo, a gente até se assusta com os sorrisos, com a simpatia, com os sinais de gentileza pelo caminho.

 Saindo do apartamento da minha mãe na sexta feira, encontro um casal simpático no elevador.
 Em tempos em que um 'boa tarde' é mais que suficiente para as relações num elevador, se deparar com sorrisos amistosos de desconhecidos, perguntando se você vai bem (insistindo nos sorrisos) soa estranho, até desajeitado para seres tímidos como eu.

Interestelar

 
  Quarta à noite, véspera de feriado em Campinas, inauguramos um novo tempo aqui em casa e levamos o baixinho para nos acompanhar ao cinema num filme voltado para maiores de dez anos. Apesar dele só ter oito, conseguiu acompanhar as três horas de filme legendado e muito emocionante.
  Por ser uma raridade em tempos que só assistimos animações da DreamWorks, quis vir falar do filme aqui para vocês.
 
 É certo que não vou entrar em pormenores, nem relatar o final, mas como geralmente o que me cativa em qualquer história é o lado humano, é nele que vou focar.

 O filme conta a história de um agricultor, ex piloto de testes da NASA, viúvo, pai de dois filhos, que se vê num dilema: aceitar embarcar numa missão espacial ou não. O maior desafio, porém, está na passagem do tempo. Enquanto para os filhos o tempo transcorrerá normal, hora após hora, ano após ano... para o pai, no espaço, o tempo transcorrerá mais devagar, no compasso de alguns minutos. 
 Num dos momentos, durante a visita a um planeta fictício, os astronautas se atrasam alguns minutos, e com isso perdem vinte e quatro anos no tempo da Terra. Para o pai, tempo precioso ao perceber que perdeu a infância dos filhos.

 Enquanto o filho mais velho envelhece diante da tela do computador, enviando mensagens periódicas ao pai, a filha mais nova, ressentida da partida de seu grande herói, se recusa a enviar mensagens. Até o dia em que percebe que ela e o pai estão muito mais ligados do que poderiam supôr.

 Enfim, entre suspense e lágrimas, reconheci um pouquinho de minha humanidade ali. E por isso me comovi diante da história do pai que perde a linha condutora da vida de seus filhos. De afetos que se perdem pelo caminho, como se o tempo corresse diferente para cada um.

 Sempre imaginamos que teremos mais tempo. Que podemos deixar para depois certas ações, que elas se concretizarão naturalmente, dentro do nosso tempo. Porém, nem sempre o nosso tempo é o tempo que está reservado para nós. E é muita pretensão acreditar que podemos prorrogar nossos passos ou adiantar nossos desejos só porque acreditamos que domamos os relógios da vida e dos acontecimentos. 

 Cooper, personagem central de Interestelar, acreditava que ainda teria tempo de sair em missão e voltar para seus filhos. Acreditava que ainda poderia acompanhar a infância de seus meninos e ser um bom pai. Porém, não é o que acontece ( não, eu não estou contando o final do filme). Infelizmente, para eles é tarde demais. 

 É devastador descobrir que chegamos tarde demais. Que deixamos pra depois o que nunca mais poderá ser realizado. Que adiamos nossas vidas em busca do momento perfeito ou da hora ideal, sem perceber que a vida acontecia no aqui e agora; sem se dar conta que o presente era precioso demais para simplesmente ter sido adiado pra depois. 

 Querendo ou não, tudo gira em torno de uma balança. E definir nossas prioridades ou escolhas se torna essencial para decidir aquilo que não queremos deixar para trás ou chegar atrasados demais. Inconcebível seria chegar tarde para a infância dos filhos, para o relacionamento de nossas vidas, para as chances improrrogáveis ou momentos perfeitos que ditarão a eternidade.

 Interestelar recusa a morte como recusa o fim de um tempo. Cooper, desejando salvar seus filhos _ e a humanidade _ do apocalipse que se aproxima, oferece-se para a missão _ a última chance de fazer aquilo que para ele é sua verdadeira vocação. Porém, ao perceber a velocidade com que o tempo passa para aqueles que ama, arrepende-se da empreitada e descobre que fez a escolha errada. Quer voltar, pois de nada adianta o tempo não passar para ele, se passa e leva embora aqueles que ama.

 Assim, não há remédio que cure a morte de um tempo. Podemos brincar de faz de conta, mas ainda assim, temos que nos adaptar e ajustar ao que resta de nós apesar das perdas e despedidas inerentes a qualquer vida.

 Interestelar é uma ficção que brinca com a ciência, mas acima de tudo fala de amor. Do sentimento que ainda move o homem e conduz suas ações.  Do que motiva alguém a buscar a escuridão _ o buraco negro _ para trazer luz à sua família. 

 Recusamos a morte e queremos que o amor nos salve da vida. Buscamos a escuridão desejando que ela nos traga alguma luz. Desafiamos o tempo almejando desperdiçá-lo e guardá-lo no mesmo instante; corremos riscos para nos sentirmos seguros; nos perdemos para nos encontrarmos. Percebemos enfim que o triunfo da vida está no amor, nem sempre claro, nem sempre explícito, mas ainda assim, real.

 Saí do cinema reconfortada por uma parte de mim ter sido acolhida naquela história. Uma parte de mim que se ressente das perdas, do que o tempo levou e não traz mais, das ausências, dos hiatos que se consolidaram com a distância. Porém, ainda acreditando no amor. Nessa força poderosa que nos torna homens. Que nos torna simplesmente e poderosamente... humanos.
 
                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES

 
 
 

Leitura do mundo


 Ontem um dos maiores poetas brasileiros faleceu. Manoel de Barros se foi aos 97 anos, deixando como legado sua poesia, seu olhar único sobre o mundo ( é dele a frase:  "há um comportamento de eternidade nos caramujos"), e sua forma nítida de ser e se renovar perante a existência.

 Fabrício Carpinejar, escritor e poeta, publicou um texto lindo em homenagem a Manoel de Barros e lá pelo final arremata: "Manoel de Barros afirmava que o verdadeiro conhecimento está na leitura do mundo".
 Tomei essa frase para mim, assim como grifei um dos poemas de Barros, que diz:
" A maior riqueza do homem é a sua incompletude. Nesse ponto sou abastado. Palavras que me aceitam como sou _ eu não aceito.
 Não aguento ser apenas um sujeito que abre portas, que puxa válvulas, que olha o relógio, que compra pão às 6 da tarde, que vai lá fora, que aponta lápis, que vê a uva, etc, etc.
 Perdoai. Mas eu preciso ser Outros.
 Eu penso renovar o homem usando borboletas".

 Somos a leitura que fazemos do mundo. E podemos ler delicadezas, miudezas, singelezas ou, ao contrário, aceitar o espetáculo do medo, da falta de esperança, da ausência de fé.
 Que possamos nos inspirar em Manoel de Barros e ouvir mais canto de passarinho que ronco de motor; acompanhar mais a marcha das lagartixas que notícias bombásticas na tevê; socorrer joaninhas em posição invertida no lugar de dar ouvidos a tanta previsão catastrófica por aí.

 O que sinto é que o mundo poderia nos encantar e nos tirar da mesmice se a gente se detivesse mais ao chão e ao céu que ao espaço intermediário entre esses dois.
 Se a gente aprendesse a importância dos quintais e dos gravetos, do cheiro de suor e terra molhada, bolo de areia e espuma de nuvem.

 Como dizia Manoel de Barros, "poesia é voar fora da asa". É sair da obviedade do seu mundo e viajar para outros espaços de si mesmo.
 Quando viajamos o tempo corre alterado. É que passamos a observar as entrelinhas dos lugares, alcançando suas profundezas.
 Talvez seja isso que nos falte: alcançar as profundidades da vida, desprezando e desbravando mais as próprias fronteiras que os abismos do lado de fora; descobrindo mais de seus mistérios e despropósitos que de suas resoluções e metas para o próximo ano; descobrindo-se mais poesia que poeta; mais ventania que alicerce; mais orvalho que temporal; mais aroma que perfume; mais sabor que paladar.

 Com o tempo a gente aprende: reinvenção é melhor que perfeição.

 E vamos descobrindo que é possível nos reinventarmos todo dia, fazendo nossa leitura do mundo da maneira mais bonita que soubermos, buscando nossas respostas no vazio ou no barulho do vento, na tristeza ou no desbordamento do sorriso.
 Ou então, feito menino de Manoel de Barros, o menino que queria carregar água na peneira e gostava mais do vazio que do cheio _ "falava que os vazios são maiores e até infinitos..." _ descobrindo que quem dá a dimensão para o mundo somos nós. Nós e nossa leitura do mundo, reciclando e renovando a cada dia, nem que seja "usando borboletas"...

                                                                                                                               FABÍOLA SIMÕES

O especial dos dias

 De vez em quando acontece. Um dia para ser lembrado por muitas outros dias, aumentando, diminuindo, avançando e rebobinando até que a mente se canse e a alma se satisfaça a menor lembrança de tudo que foi vivido.

 Ontem foi uma dessas noites. E senti-me abençoada e recompensada por ter sido escolhida para estar entre pessoas do bem, por uma causa nobre, numa festa onde artistas e crianças deficientes repartiam o mesmo espaço, oportunidades, possibilidades.

 E então a gente entende que a semana pode vir com tudo, que a gente já teve alegria suficiente para repartir por muitos dias; que de vez em quando a quebra da rotina nos torna melhores para cumprir com todo o resto, e que um excesso de realidade pode chocar, mas também nos ajuda a valorizar os milagres cotidianos.

 Deixei meu filho de oito anos em casa e estive bem perto de outras crianças, por volta da idade dele, todas com alguma deficiência. E não pude deixar de me colocar no lugar daquelas mães e famílias que estavam num momento de festa, de alegria, mas que também teriam sua volta à realidade assim que chegassem em casa. E penso que em algum lugar dentro daqueles pacientes, aquela era uma noite especial também; uma noite que poderá ser revisitada nas horas de desânimo e dor, quem sabe trazendo algum alívio, ou simplesmente paz.

 Quanto a mim, acordei com a sensação de ter sonhado. E acredito que mudei um pouquinho também. Por acreditar num mundo que ainda é solidário, em pessoas que seguem fazendo o bem, nem que seja doando cinco reais. E fico grata de ter feito parte desse time, sabendo que fui um grãozinho no meio daquela noite especial.

                                                                                                                              FABÍOLA SIMÕES





Inclusão,AACD e Teleton 2014

 Há aproximadamente dois meses, fui convidada para participar da bancada dos blogueiros ( em posição stand by) do programa Teleton 2014, do SBT, em prol da entidade AACD.

 Infelizmente nunca pude acompanhar o programa, e por isso fiquei na dúvida se aceitava o convite ou não; mas hoje, dia em que devo me integrar ao time Teleton, agradeço a oportunidade de participar dessa corrente do bem, que visa angariar fundos para a entidade AACD.

 Pesquisando sobre essa Associação, descobri que já existe há 64 anos e tem como objetivo não apenas curar os portadores de deficiências físicas, mas reabilitá-los e, mais do que isso, integrá-los à sociedade, ao meio de trabalho, ao convívio social.

 Porém, o que mais me chamou a atenção foi a preocupação com a inclusão, para que a igualdade seja alcançada da melhor maneira possível. Além disso, acreditam numa sociedade que convive com a diferença, porque reconhece em cada indivíduo sua capacidade de evoluir e contribuir para um mundo mais humano.

 A AACD foi fundada por um médico _ Dr Renato da Costa Bonfim _  que em 1950 reuniu um grupo de idealistas e fundou o primeiro centro de reabilitação na cidade de São Paulo.

 Meu objetivo nesse post não é apenas divulgar o trabalho da AACD e solicitar doações, mas acima de tudo, esclarecer e informar (a quem não tem ideia _ assim como eu não tinha), o que representam as doações e o programa Teleton.

 Convidada, e agora orgulhosa de participar, fui atrás das informações e sinto-me honrada do convite. Certa de que posso acrescentar parte de mim a esse trabalho, peço aos leitores do blog e seguidores da página no facebook e instagram que tirem um pouquinho do seu tempo para acompanharem o programa hoje pela TV ( SBT, TV Cultura, Fox Life e Nickelodeon) e se inteirem da necessidade de serem solidários, nem que seja com cinco reais.

 Ficam aqui os telefones para as doações:

 Para doar 5 reais: 0500 12345 05
 Para doar 15 reais: 0500 12345 15
 Para doar 30 reais: 0500 12345 30

 Ou acesse: teleton.org.br

 Estarei hoje, no SBT, a partir das 19:00 horas.

 Desde já o meu muito obrigada!!!
                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES

Aviões de papel

 Minha casa foi invadida por aviões de papel. Na mesa da sala, nos degraus da escada, no quarto de brincar e de dormir... os modelos, dos mais variados tipos e potências, aterrizaram em nossos passos e espaços.
 Meu menino, que também adora tevê e videogame, anda descobrindo o prazer da simplicidade.

 O tempo passa e permanecem as coisas mais simples. Como peão que rodopia e traz pra perto do filho a infância dos pais, a simplicidade ensina que a eternidade mora nos detalhes; na cauda do avião de papel milimetricamente ajeitada pelo avô e na mancha de farinha que colore o colo da mãe. Simplicidade de presença sentida e ausência sofrida, pés no chão e olhos atentos, vontade e verdade _ intercaladas e misturadas _ trazendo a noção de que ser simples é estar inteiro. Não necessita retoque, glamour, etiqueta. Não exige aprovação, só adivinhação. Desapegado se faz do consentimento alheio, dos comentários digitais, dos olhares de recriminação. A simplicidade gosta de rascunhos sinceros, poeira varrida pelo vento, fotos desbotadas pelo tempo, verdade escrita pela caligrafia da honesta presença e sinceridade ilesa de retoques corretivos.

 Os aviões de papel mostram que nem tudo que parece perfeito será sempre melhor. Que a imperfeição e escassez de luxo podem ser reconfortantes e causar saudades permanentes. Que nos momentos onde a madeira lasca, a água é escassa e o feijão e café, mais ralos, a lembrança torna-se mais aguda, e _ apesar de toda ranhura _ mais bonita.

 Muita história de amor foi construída sob um teto de dificuldades; estante da sala de caixotes de feira, paredes caiadas de tinta diluída, café da manhã com pão amanhecido. E arrisco acreditar que as adversidades tenham feito o amor mais forte, apesar de simples.

 Tenho saído todas as manhãs para caminhar num parque perto de casa. Sim, sou abençoada por ter uma lagoa linda pra contornar, e uma paisagem exuberante pra me acompanhar. Hoje cedo, a fonte, numa das margens do lago, estava ligada. Tocava Frank Sinatra e durante minha passagem fui presenteada com duas músicas que adoro, Moon River e Cheek to Cheek. De repente percebi que a felicidade se constrói assim, não de uma vida perfeita _ e ilusória _ mas de momentos simples e concretos. Sozinha, agradecida por ter meu corpo funcionando perfeitamente, tendo a facilidade de frequentar esse parque que se avizinha à minha casa, sentindo o sol e o vento em meu rosto, senti-me premiada com o script e a trilha musical extremamente clichês e simplesmente perfeitos.

 Pode demorar algum tempo para percebermos que a simplicidade carrega dádivas. Que um aviãozinho de papel num dia de vento pode ser mais prazeroso que um quarto cheio de brinquedos. Que caminhar sem preocupação por uma paisagem exuberante traz mais resultados pra saúde que correr doze quilômetros em uma hora de esteira na academia; que um bolo simples, sem recheio ou cobertura, saído do forno acompanhado de café quentinho é mais gostoso que a torta holandesa da confeitaria; que o rosto recém lavado, saído do banho, pode ser mais sexy que o olho preto com cílios postiços e delineador fatal; que um elogio sincero e inesperado levanta mais a relação que o presente obrigatório no dia especial; que a presença verdadeira _ sem relógio, celular ou plano de fuga _junto aos filhos traz saldos muito mais positivos à infância que qualquer tablet repleto de apps.

 Meu filho continua inventando modelos de aviões de papel. Pesquisando na internet ou recebendo a ajuda do porteiro do condomínio (um exímio construtor de aviões), vai aprendendo que qualquer folha bem dobrada pode modificar um fim de tarde comum.
 E eu sigo como observadora de sua corrida atrás dos aviões de papel, percebendo que a vida pode sim, ser mais simples _ se a gente quiser... e permitir.

                                                                                                                               FABÍOLA SIMÕES










  

Trégua

 Quando me tornei mãe, um dos meus maiores medos era que meu filho colocasse grãos de feijão no nariz ou ouvido. Já tinha ouvido histórias semelhantes na família e aquilo me parecia muito comum, apesar de perigoso. A fase de cometer tal delito passou, e com o passar dos anos, outros medos, igualmente pertinentes ou não, vieram se somar ao meu repertório de mãe atenta, preocupada, precipitada.
 Mas o tempo passa e vamos percebendo que as profecias sombrias nem sempre se concretizam; que o medo paralisa e aprisiona, que podíamos usufruir mais da paz que nos é dada por direito se apenas déssemos uma trégua.

 E percebo agora que o mundo precisa de trégua. Que podíamos ser bem mais felizes se apenas usufruíssemos da vida que Deus nos deu _ como prova de amor _ sem receio de levantar e cair, sem medo de que nossa vida vire de cabeça pra baixo se o outro optar por uma forma de viver que julgamos incorreta, sem enxergar maldade onde há apenas escolha, sem dar nomes obscuros ao que a gente desconhece. Precisamos de trégua; de olhar para o próximo com mais amor e tolerância, sem achar que algumas maneiras _ diferentes das nossas _ de ver o mundo podem contaminar nossos filhos ou as gerações que estão por vir. Trégua pra aceitar as diferenças, trégua pra abraçar o desconhecido, trégua para enfrentar os tabus.

 Estou lendo a biografia de Malala, que ganhei de minha mãe no último fim de semana. Muito além da história da menina que ganhou o Nobel da paz e tornou-se símbolo da luta pelos direitos das mulheres _ principalmente por educação num país massacrado por leis rígidas e religiosidade sufocante_, o livro narra a história de um povo que tem medo. Medo que sua população pense, que os costumes mudem, que as mulheres possam ter direitos iguais aos homens. É Malala quem diz: "Nasci menina num lugar onde rifles são disparados em comemoração a um filho, ao passo que as filhas são escondidas atrás de cortinas, sendo seu papel na vida apenas fazer comida e procriar."

 O terrorismo no mundo muçulmano é a materialização do medo numa sociedade que não aceita mudanças, que não dá tréguas à evolução e não tolera diferenças ou divergências. Sob o domínio do Talibã, que acima de tudo é uma organização que teme (e por isso espalha o terror), o Paquistão tornou-se terra de desigualdades e distorções dos direitos humanos.

 No Ocidente, o medo também conduz e massacra em nome de uma Verdade pura e intocável. Muitos cristãos _ que conforme o nome diz, deveriam seguir os ensinamentos de Cristo _ ainda têm dificuldade de aceitar os preceitos que esse mesmo Cristo propagou durante sua existência, e colocam restrições a um dos maiores mandamentos :"Amar ao próximo como a ti mesmo", caso esse próximo não se enquadre naquilo que ele julgue certo, ou melhor dizendo, ' do lado do bem'. E se indignam com mudanças, com o novo que chega, como as novas _ e louváveis_ mudanças na igreja católica a partir do grande Papa Francisco.

 O temor que não permite às mulheres o direito à alfabetização no Paquistão (pois desta forma também terão direito ao livre pensamento), é o mesmo medo que faz com que Papa Francisco _ pasmem _ seja rejeitado ou olhado com olhos duvidosos por alguma parcela de religiosos dentro da própria igreja católica.

 O medo de que os limites sejam rompidos _ pois 'o que faremos com nós mesmos se não houverem tais limites?'_ assusta e incomoda, pois reflete a insegurança: 'o que será de nós agora que tudo o que pensávamos que era não é mais?' E mais ainda: 'o que faço com o medo que tenho do mundo que deixaremos para nossos filhos se as barreiras forem quebradas? E se meu filho abraçar aquele que julgo tão diferente de mim? E se meu filho quiser ser, ele mesmo, tão diferente de mim?'

 Mudanças. Ninguém disse que seria fácil assimilá-las. Porém, é a única maneira de não retroceder. O único jeito de descobrir que existem outras formas _ diferentes, e nem por isso erradas_ de enxergar uma mesma situação. Só temos que estar dispostos. Abertos a abrir mão de nossas convicções e aprender a enxergar com o coração, percebendo que nem tudo é negativo; e muito daquilo que julgamos difícil de entender, está aí para nos ajudar a evoluir. 

 Malala e Papa Francisco nos desacomodam. Tiram de nossa zona de conforto e nos colocam a refletir. A dar uma trégua aos temores que assolam nossa existência, e ousar construir um mundo mais igualitário e melhor, onde os verdadeiros Direitos Humanos sejam cumpridos, com dignidade, tolerância e amor. Onde o medo não gere arrogância nem tirania.

 Quanto a mim, prometo dar uma trégua a meus receios maternos também. A fase dos grãos no ouvido passou, mas virão outras inseguranças igualmente preocupantes e claustrofóbicas. Que eu possa dar limites baseada no objetivo de fazê-lo crescer e ser capaz de fazer suas próprias escolhas no futuro; mas nunca, jamais, com o propósito de amedrontá-lo e assim acorrentá-lo a mim.

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES

Mudanças

 Sempre achei que transferir o título de eleitor fosse a conclusão máxima de um projeto de mudança. Semelhante a conseguir se desfazer do guarda roupa na casa dos pais (que continuam morando no interior enquanto você se mudou para a capital), transferir o título de eleitor é admitir que não há mais volta, o adeus foi consolidado, não existe possibilidade de retorno.

 Morando há anos em Campinas, meu título continuava ligado ao sul de Minas, e era sempre uma ótima desculpa para uma viagenzinha de dois dias ao interior, à casa de meus pais.

 Mas nem sempre _ quase nunca _ nossos planos são definitivos. Brisas leves ou ventos súbitos podem mudar nossas órbitas num piscar de olhos. Pensando controlar nossos pontos cardeais com a precisão de bússolas competentes, desconhecemos a força e o empenho do acaso.
 E como guarda-chuvas que se dobram à grandes tempestades, quebrando a armação e revirando o tecido do avesso, é sempre tempo de descobrir que somos mutáveis também. Que muito além do novo corte de cabelo que denuncia grandes mudanças na vida ( quem nunca?), acatar o inesperado desejando boas vindas ao novo é sinal de sabedoria.

 Transferir o título de eleitor é aprender a aceitar o fim de um tempo e o começo de outro. Quem me ensinou isso foi dona Clau, minha mãe.
 A senhorinha, muito mais que mudar o corte de cabelo, abriu as portas para a novidade em sua vida com o vigor de uma jovenzinha. E me ajudou a aceitar a morte de um tempo também, ao dar-me o exemplo de seguir adiante.
 Há dois anos, logo após sua definitiva mudança para Campinas, fomos ao cartório, nós duas, pedir a transferência. Saímos de lá deixando uma parte de nossas vidas definitivamente para trás.

 Porém, ainda assim, ela precisava de uma última decisão. Na semana seguinte me apresentou outro voucher. Não ia viajar, mas tinha comprado uma vaga _ para todos nós _ no cemitério de Campinas. Quase caí pra trás! Mas aos poucos compreendi a realidade _ e a necessidade de seguir em frente.

 Com ela aprendi que a reinvenção de uma história só depende de nossa vontade e coragem de dar o primeiro passo. Lamentar o que aconteceu faz parte _ ninguém é de ferro _ mas daí por diante quem determina o espaço para a alegria ou tristeza somos nós mesmos.

 Nós e nossa capacidade de baixar uma receita nova na internet e preparar um lanche da tarde diferente; nós e nossa vontade de ir ao Ceasa comprar novas mudas de flores e começar um jardim; nós e nossa decisão de nos matricularmos na ginástica, num coral ou numa aula de dança de salão; nós e nosso empenho de frequentar um curso de bordado ou fotografia; nós e nossa decisão de deixar o passado pra trás e começar do zero outra vez.

 Nem tudo é fácil, quase nunca estamos prontos para as medidas mais práticas em relação à vida e à morte. Viver é aprender a conviver com as mudanças que ocorrem com ou sem nosso consentimento, e nos abalam por momentos estreitos ou demorados demais.
 Nem sempre estamos na mesma vibração dos acontecimentos que nos rodeiam, e pode demorar algum tempo até que possamos perceber que estamos no fim de uma história e começo de outra.

 Mudar o corte de cabelo e transferir o título de eleitor podem ser bons começos e rendem ótimos enredos. Pequenos gestos que nos ensinam que crescer não é simples, e deixar partir é doloroso.

 Mas ainda assim, são movimentos que nos fazem caminhar adiante, pois é assim que os relógios giram, as noites acontecem e o sol nasce todas as manhãs.
 Bem vindo à Vida!

                                                                                                                               FABÍOLA SIMÕES 

O ciúme não é só vaidade

 Outro dia, observando a brincadeira barulhenta do filhote e minha mãe, tive vontade de participar. Pedi para entrar no duelo entre dragões e então ouvi a fatídica frase: "Não, essa brincadeira é só minha e da vovó". Naquela hora senti-me a própria menininha de trancinhas recusada pela turma do jardim de infância. Desbancada em minha vaidade de mãe-número-um-no-coração-do-meu-filho, senti a ríspida pontada de ciúmes cutucar meu espírito.

 Lembrei de Woody, do desenho Toy Story. Ele era o boneco favorito de Andy, o garoto que ganha Buzz Lightyear no aniversário e de repente passa a preferir a companhia do mais novo brinquedo ao antigo. Anos mais tarde, no terceiro filme da série, Woody tem que conviver novamente com esse sentimento de perda, pois Andy cresce e vai para a faculdade.

 Ao contrário do que cantava Raul Seixas, o ciúme não é só vaidade, mas tem nascente profunda, ancorada no medo e suas complexas ramificações. Sentir medo é normal. Como não seria normal sentir ciúme? Porém, por mais difícil que seja, temos que dar um jeito de domar esse ferrãozinho que de vez em quando espeta a alma e destrói momentos.

 Como rio turbulento que se converte numa queda d'água de grandes proporções, o ciúme nasce raso e inseguro, mas pode ganhar contornos amplos e indefinidos. 

 A vaidade é irmã do ciúme. Com ele anda de mãos dadas e agrega volumes na mesma proporção. O vaidoso é um inseguro. Precisa reafirmar seu valor diante do espelho e dos outros. Se ressente da falta de aplausos e escassez de elogios ('likes', como preferir). Mas também acusa uma inegável carência. Ele não se basta, porque seu amor próprio é minguado. Não tolera a admiração alheia e se atormenta com o brinde ao qual não foi convidado a brindar.   

 Provocar ciúme também é se banhar num rio de vaidade. Ao instigar ciúme no outro, nos engrandecemos num narcisismo provocativo. Assim como o silêncio é uma forma de domínio, não traduzir-se claramente é manter a vigília sob seu domínio e controle.

 Muito além dos ventos súbitos que balançam as relações por desconfiança, existe aquele sentimento que demonstra carinho, necessidade de atenção e afeição, medo de perder ou ser preterido. É o tipo de ciúme que permeia as relações sadias entre pais e filhos, irmãos, parceiros de teto e afeto, amigos. É ciúme que cobra, mas também demonstra que o outro faz falta. É ciúme que exige explicação, mas no fundo necessita de atenção.
 É ciúme do tempo que passa afobado e leva a infância e a velhice de jeito precipitado. É ciúme de estar longe querendo estar perto; de ser sentido; de fazer sentido.

 Ciúme por desconfiança é outra coisa. A relação balançou, faltou verdade, rompeu-se um elo, os nós desataram, a louça rachou. Nunca mais será a mesma, por melhor que seja a emenda. Desconfiar não é ter ciúme, é viver em corda bamba. É tentar remediar o que não tem conserto.
 Porém, aquele que desconfia sem motivo desconhece que não confia nem em si mesmo. Por motivos claros ou não, perdeu a ligação com a confiança que deveria morar dentro de si. O desconfiado por natureza é vulnerável. Vulnerável aos medos, às ciladas que ele mesmo construiu, aos afetos.

 Desconfiança é prima distante do ciúme. Faz dele um sentimento difícil de aturar e conviver. Desconstrói o cuidado para ser só cobrança. Desnuda a falta para ser só procura de provas.

 Ciúme de verdade não é só vaidade. É sintoma de amor, de saudade, de querer fazer parte. É carinho com beicinho, choro abafado no travesseiro, pedido atrasado de perdão. Como a letra de Rita Lee, um "Auê", sem querer magoar você...

 ... Dias depois, brincando de luta entre dragões em cima da cama com meu filho, assumi minha pontadinha de ciúme. Porém, já prevendo a devolutiva, expliquei: "Ciúme - é - problema - de - quem - tem"
 E continuei com firmeza: "por mais que esse sentimentozinho venha agulhar de vez em quando,há alegria maior em ver meus grandes amores _ você e minha mãe (sua avó)_ em tão perfeita sintonia?"

 Sentindo-me como Woody, finalmente recordo que a vida é feita de ciclos; e por mais que o ciúme permeie nossas despedidas e refaça nosso contrato com o tempo, só assim crescemos e deixamos o outro crescer.

                                                                                                                               FABÍOLA SIMÕES 

A aridez dos dias comuns

 Alguns dias despertam mais áridos que outros.
 Você acorda e nenhuma peça se encaixa, nenhuma roupa tem bom caimento, o cabelo mudou de humor, o espelho traz um reflexo ruim.

 O embaçado das horas toma conta de alguns dias estranhos, mas a gente sabe que vai passar. Se não é depressão _ doença séria que merece medicação_ faz parte do ser humano, de sentir-se vivo, de absorver energias ao nosso redor, de sentir empatia, de estar alinhado a outras consciências, nem sempre conscientes de si.


 Nem todo dia promete, nem toda espera tem o seu encontro, nem tudo se aperfeiçoa dentro da gente.

 Tem dias em que você tem que se deixar pra lá, se relevar, esquecer de tentar ser o mesmo.
 Dias áridos acontecem o tempo todo, pra qualquer um _ até para aqueles que não sofrem de alterações hormonais nem carregam bipolaridades.

 São saudades vazias que voltam pra assolar o peito, desejos insatisfeitos, falta de sentido diante do trivial, percepção do mundo por lentes desfocadas, ausência de fome para o novo.

 Nesses dias tão estranhos não adianta insistir. Nem tentar manter a rotina de antes (você estará diferente por alguns dias, apenas tolere).

 Mude o trajeto, inove na frente do espelho, recolha sua decepção diante daquilo que não vingou _ nem todo projeto se concretiza_ saia da dieta, não faça restrições ao chocolate ou a um bom vinho, assista a um DVD diferente. Esqueça diagnósticos sombrios _ você é como todo mundo, e dias assim acontecem a todo momento (se durar mais que uma semana, procure ajuda).

 Porque chega uma hora em que as janelas querem ser novamente escancaradas, o sol deseja queimar a pele de um jeito novo e o tédio dá lugar à esperança.

 Mas ainda assim, são ciclos. E por mais cansativo que seja, você não está livre de, uma hora qualquer, voltar a habitar o árido que há em você.
 Porém, ao entender que ele existe e não pode ser negado _ apenas enfrentado_ conseguirá aceitar melhor os momentos e a si mesmo.

 Infelizmente forçamos demais a barra para sair do acinzentado dos dias. Só nos permitimos navegar em águas límpidas e remamos desesperados para longe do rio turvo que de vez em quando vem se juntar ao nosso mar. Esquecemos que a existência não é linear. Ao contrário, de vez em quando nossos remos pesam e nossas braçadas ficam mais difíceis. Mas chega uma hora em que, do mesmo jeito que as peças se desalinham, elas também se organizam. E naquele mesmo lugar onde só havia inadequação, começamos a enxergar beleza e verdade. Sem explicação. Sem questão hormonal que explique o peso e a leveza que se intercalam em nossas caminhos ou esquinas...

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES


Só quem amou entende de saudade

 Terminando de ler "1933 foi um ano ruim", de John Fante, um dos escritores que mais admiro, o livro acaba de tornar-se mais um de meus preferidos.
 Numa passagem, como tantas outras igualmente comoventes, ele diz: "Fiquei lá deitado na noite branca, observando minha respiração subir em plumas enevoadas. Sonhadores, éramos um bando de sonhadores. Vovó sonhava com sua casa na remota Abruzzi. Meu pai sonhava em estar livre das dívidas e assentar tijolos ao lado do seu filho. Minha mãe sonhava com sua recompensa celestial e um marido cordial que não fugisse. Minha irmã Clara sonhava em tornar-se freira, e meu irmãozinho Frederick mal podia esperar para crescer e se tornar um caubói. Fechando os olhos eu podia ouvir o zumbido dos sonhos pela casa, e então caí no sono." 

 Assim como retrata o autor, nossas saudades são costuradas em momentos aparentemente pequenos, que ganharão grandes contornos lá na frente.

 Toda saudade é feita de pequenos instantes que se transformam em grandes momentos.

 O olhar infantil, a voz não amadurecida, as mãos arredondadas, a recusa em obedecer, a risada barulhenta. Meu menino cresce depressa enquanto tento sugar algum tempo de infância. Virá a puberdade, o crescimento repentino, os braços compridos ao lado dos quadris. A voz mais grave, o sorriso sem jeito, a recusa em nos ouvir. Já tenho saudade dos instantes de meninice que hoje fazem parte de nossa rotina. Como filhotinho agitado, corre pela casa e me convida a alcançá-lo. Apesar dos dias que se arrastam cansativos, ainda tenho fôlego para corridas em volta da mesa de centro, pois a saudade se costura nessas fagulhas de tempo.

 Saudade não é só lembrar; é carregar despedidas também. Despedida da vida que se desenrola no presente ou que insiste em se demorar dentro da gente. Saudade da vida que não se concretizou mas permanece criando raízes em nossa mente.  Despedida da infância dos filhos; da saúde dos pais; do cabelo volumoso e colágeno volátil; do frio na barriga, coração acelerado e surpresa de mãos dadas; do namoro que deu certo, da paixão que deu errado. Do amor que pediu casa, do afeto que criou asas. Saudade do que ocorreu, do que deixou de existir, do que a gente quis e o tempo não consentiu. Saudade de perceber que tudo se transforma num piscar de olhos; e por isso querer agarrar os instantes com precisão, desejando que os vapores do tempo não arrastem pra longe aquilo que não nasceu para ser saudade.

 Através dos sonhos localizamos nossas saudades. Os que deram certo e os que não se concretizaram. Os que imaginamos como verdade ou grandes demais para caberem em nossa simplicidade. Sonhos de ir, sonhos de ficar. Saudade dos planos que imaginamos como certo, da vida boa que existia bem de perto.

 Temos saudade do que a mente sonhou e a vida deixou partir. Do que é lembrado com ternura, e permanece existindo como um refúgio invisível dentro de nós. Do que não resistiu como memória palpável, mas jamais deixará de fazer falta. Do que fomos, do que queríamos ser, da parte de nós que teve que ser deixada para trás.

 A gente vive e não sabe do que vai ter saudade. Porque saudade não avisa que o presente vai virar lembrança, e poucas vezes distingue o estável do passageiro. Algumas coisas o tempo leva sem piedade, e a gente antecipa a saudade do que não permanecerá. Talvez seja isso que vem dar sabor_ a noção de que passará _ como a própria vida que chega e sabemos que findará.

 "1933 foi um ano ruim" é baseado em fatos autobiográficos. O livro, assim como "Espere a primavera, Bandini", do mesmo autor, comove por nos confrontar com as impossibilidades da vida humana.

 As impossibilidades que todos nós enfrentamos diariamente, em batalhas dentro ou fora de nós. A saudade é só uma delas. Porém, mesmo denunciando a falta, mesmo doendo, tem um quê de poesia e beleza.

 A beleza que se revela no simples fato de que só quem amou entende de saudade...

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES

Pipa e Candinha

 Em seu próximo filme, Gregório Duvivier vai dar nome e sobrenome aos seres que nos habitam. Tão presentes e contraditórios, mandões e passivos, escondidos ou escancarados, o ID e o superego serão representados pela dupla personalidade do personagem. Uma hora ele será o certinho Eduardo (superego); outra, o fanfarrão Duca (o ID).

 Se fosse possível opinar, diria que morro de raiva da engomadinha que vive dentro de mim. Com mãos na cintura e pés impacientes, precisa urgentemente de um botox no centro das têmporas e tratamento fonoaudiológico para o tom de suas cordas vocais.

 Durante muito tempo estremeci diante de seus botões hermeticamente fechados até o queixo e saia plissada abaixo do joelho. Feito garota interna, rigidamente educada por freiras, me comportei impecavelmente sem questionar seu domínio, muito menos ousando perguntar se aquela gola engomada não lhe causava claustrofobia. Claustrofóbica vivia eu, tentado ser livre com dona Cândida _ asseada _ dentro de mim.
 Mas tenho descoberto que dona Cândida não é tão poderosa assim. Se a gente souber levar, acaba percebendo que seus botões afrouxam, sua saia sobe e suas rugas de expressão ficam quase imperceptíveis.

 Dento de mim também vive Pipa, um ser tão livre e leve que sobe pelos ares feito pluma dente de leão que a gente sopra e deixa o vento conduzir.
 Pipa não conhece a tirania de dona Cândida. Ao contrario, acha ela um doce e diz que quem exagera sou eu; 'sua voz nem é tão grave assim'...  Pede para que eu alivie a diplomacia e chame-a pelo apelido carinhoso: Candinha. Por desconhecer a sombra de dona Cândida, Pipa consegue sorrir mais, dormir sem pesadelos e desabrochar seu gozo sem medo de ser feliz.

 Pipa não tenta me governar, quer que eu a descubra sozinha. E é verdade que de vez em quando ela vem à tona _ tão descontraída em sua rasteirinha deslizando pelo chão e seu clássico vestidinho de chita _ que não resisto e tomamos uma cervejinha juntas. Nessas horas, meu riso é mais leve; minhas frases, mais confiáveis; meu sono, mais profundo.

 Pipa divide uma beliche com Dona Asséptica. Mas a saia plissada da dona engomada cobre Pipa por inteiro, e por isso quase não lhe ouço a voz nem sinto sua presença. Mas quando durmo profundamente, ela vem me falar aos ouvidos. É certo que nem sempre lembro no dia seguinte, mas sei que ela me conhece mais do que eu mesma. Me diz que preciso me soltar, desabotoar a gola de dona Cândida e ensinar a ela seu lugar. Explicar que sua hora já passou. Foi bom, me orientou por algum tempo, mas agora preciso de mais Pipa e menos Candinha.

 Devagarzinho tenho tentado mudar as duas de lugar. Colocar dona Cândida pra dormir embaixo e Pipa pra dormir em cima. Não é justo que meu governo seja assim tão rígido. Quero mais Pipa em minha vida, me ensinando a voar, a ouvir mais minha intuição, a correr mais riscos, a viajar com menos bagagem.
 Quero aprender a ser conduzida por meus "nãos" também, pois o caminho da liberdade passa por restrições àquilo que não cabe em nossa nova etapa de vida. Que Pipa me ensine a liberdade dos vestidos florais e tiaras no cabelo, o descompromisso com o que não é necessário nem imprescindível, a autonomia que quero e devo ter em minhas escolhas.
.
 Que as regras de dona Cândida sejam ouvidas na sua medida, me colocando no meu devido lugar sem me roubar de mim. Que ela ganhe fala mansa e contornos suaves, e não franza as sobrancelhas quando eu quiser voar. Que me permita ouvir a voz de Pipa, tão melodiosa e difícil de acessar; que me ajude a encontrar meus desejos e neles me enroscar.

 Dona Cândida já não parece tão felina. Era meu olhar que lhe conferia tanta tirania. Pra falar bem a verdade, tem mesmo cara de Candinha, assim, miudinha e faceira, feito espuletinha.

 A gente cresce e percebe que a casa não era tão grande assim, nós é que a enxergávamos enorme. Assim também percebemos que quem deu a medida para o medo, a angústia e a incapacidade de lidar com a própria liberdade fomos nós mesmos.
 E de repente, num dia qualquer, acordamos e percebemos que já podemos arcar com aquilo que julgávamos maior que nós mesmos.
 Não foram os abismos que diminuíram, mas nós que crescemos.

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES


Todos UM

 Somos frágeis. Cada um à sua maneira, somos frágeis. E mesmo tentando evitar, a fragilidade nos alcança, nos incomoda, nos dói.

 O palhaço tropeça no chapéu diariamente em frente ao meu carro, no cruzamento da Andrade Neves com a Barão de Itapura, duas avenidas aqui de Campinas.
 Por mais que evite o contato visual, ele está lá, diante do meu carro confortavelmente fechado, equilibrando quatro bolas que rodopiam sobre sua cabeça coberta com o chapéu.
 A cena se repete todos os dias, e todos os dias evito olhar-lhe nos olhos. Pela repetição do gesto que virá em seguida _ o chapéu se transformando num porta niqueis_ mas principalmente por me lembrar que sou vulnerável como ele.

 Dou-lhe algumas moedas _ sei que no dia seguinte terei que ter novo repertório de trocados_ mas isso não basta. Preciso olhar-lhe nos olhos, conhecer sua história; descobrir se, caso pudesse rechear seu chapéu com notas mais gordas, conseguiria diminuir o peso de nossas fragilidades _ a dele e a minha.
 Não sei se isso ajudará, mas preciso dedicar-lhe tempo. Lembro então que meus sentidos estão impregnados. A presença dos pacientes do Centro de Saúde onde trabalho permanece comigo alguns minutos após a habitual jornada, e meu vestuário está repleto de cansaço.

 O palhaço me recorda que somos frágeis, quebráveis, que estamos vulneráveis à vida e à morte.
 Por isso é tão difícil encará-lo. A vida já é bastante doída para nos doermos mais. Nossas lascas ficam escondidas, enquanto as dele são expostas feito o chapéu que se adianta antes do show.
 Mais fácil escolher logo as moedas no fundo da carteira que ter que justificar nossa pequenez, nossa incapacidade de encará-lo como igual.

 Somos todos iguais. Iguais ao palhaço de rua, iguais ao menino que o quadro do Fantástico representou tão bem no último domingo.
 "Vai fazer o quê?", perguntava a atração, enquanto um ator mirim abordava as pessoas na calçada com um pedido inusitado: "Tio, me dá um livro?"

 Numa sociedade desconfortável perante o clamor das calçadas, ouvir o pedido do menino é mais que escutá-lo. É perceber que ali não se pede dinheiro, nem comida para matar a fome. Mas educação. Um livro. Um pedaço do seu tempo corrido para subir as escadas da livraria e ler algumas páginas para o garoto analfabeto. Um clamor. Um chamado. Uma necessidade de ser visto além dos trapos e do incômodo que provoca por estar ali. Simplesmente por existir.

 Enquanto muitos nem ouviam o que o menino tinha a dizer, outros entravam na livraria e, além de se oferecerem para comprar o livro, liam para o rapazinho. 
 Me surpreendi comovida do outro lado da tela. Comovida como outros tantos que postavam no twitter a mesma emoção. A emoção de perceber que ainda existem pessoas sensíveis ao sofrimento alheio, pessoas que não têm medo de se fragilizar com a fragilidade do outro, pessoas que arriscam seu próprio desamparo ao encarar com coragem o desamparo do menino.

 Hoje quero encarar o palhaço. Quem sabe trocar algumas palavras antes do sinal abrir.
 Sentir-me quase em carne viva ao abordar suas cicatrizes. Mas não vacilar ao olhá-las de frente, assim como devo fazer com as minhas.
 Quem sabe tocá-las, percebendo que somos feitos do mesmo tecido.
 Percebendo que somos um.
 Cada um de um lado do vidro do carro, mas ainda assim, UM.

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES

O teatro da existência


 Tenho descoberto que sou grande interessada em física e filosofia. Fã de Marcelo Gleiser, que tive a alegria de conhecer pessoalmente na fila de autógrafos da última FLIP, o livro "A ilha do Conhecimento", de sua autoria, tem me feito companhia nos últimos dias. Ainda não concluí a leitura _ pela mais pura falta de tempo _ mas, como de praxe, o livro encontra-se severamente sublinhado.

 Numa das partes ele diz: "O teatro da existência se dá no cérebro". E apesar da atividade incessante de nossos neurônios, o "cérebro é cego e surdo para informações que não aumentariam as chances de sobrevivência de nossos antepassados".

 Em outro capítulo diz: "A última palavra é sempre da Natureza: ela pouco se importa com nossos sonhos de perfeição ou beleza estética". 

 O que pode ser um imenso alívio quando se trata de expectativas ou necessidade de controle. E pode explicar alguma coisa em se tratando do acaso ou eventos aleatórios que desencadeiam uma grande ocorrência.

 Ao falarmos sobre o teatro da existência, falamos sobre a percepção que temos do mundo ao nosso redor, e o que esse mundo nos oferece ou deixa de oferecer. Como reagimos ao que falta ou sobra em nossas vidas.

 Nosso cérebro capta uma realidade severamente incompleta, e formula sua concepção diante do todo da forma que lhe é mais conveniente para sua auto proteção e preservação.

 Como no filme "A Culpa é das estrelas", há uma quantidade infinita de números entre o zero e o um, e muito mais entre o zero e o dois. Há o 0,1; o 0,12; o 0,112...

 Assim, por mais que enxerguemos somente o zero, o um e o dois, entre eles há uma outra infinidade de números que também ditam as regras de nossa existência _ os percalços e falhas, as vitórias e a boa sorte _ e nem nos damos conta, acostumados a lidar somente com a realidade a que fomos condicionados a experimentar.

 O teatro da existência consiste na forma como lidamos com aquilo que interpretamos como realidade. Porém, a realidade não é só aquilo que nossos sentidos captam; mas algo muito maior, em constante harmonia ou desarmonia com o Universo. Dar sentido a esse teatro cabe a cada um, do jeito que lhe é mais conveniente.
 Porém, nem sempre encenamos as peças que desejamos.
 Tentar 'dançar conforme a música' é buscar, de algum modo, equilibrar nossas vidas. Porém, colidir diretamente com aquilo que não está fluindo é varrer poeira contra o vento. Mais ou menos como escrever e encenar um teatro desgastante e desnecessário; com muito drama, suor e lágrimas pra pouco conteúdo e consistência.

 "O modo como cada pessoa escolhe se relacionar com essa escuridão define _ ao menos de forma geral _ como cada um vê a vida e seus mistérios" escreveu Gleiser.

 As religiões vieram amparar esse medo perante a Natureza, o Universo, a existência. A fé traz esperança, ao segurar-nos pelas mãos e carinhosamente afirmar que existe uma Verdade Final. O teatro da existência ganha sentido quando acreditamos nessa Verdade, capaz de justificar e amparar todo sofrimento e angústia que 'O Existir' traz.

 O teatro da existência ocorre no cérebro. Dessa forma, deveríamos criar espaços internos que nos permitissem ter um recanto de paz, longe de todo barulho que a realidade dos sentidos traz.
 Nunca fiz meditação e me arrisquei pouco na Yoga, mas imagino que criar espaços internos seja como meditar ou orar.

 Como a oração é a única prática que conheço, acredito que é uma forma de estar em sintonia com a Natureza, com a Verdade, com o Todo a que faço parte.

 Aceitar o desconhecido, aquilo que não fomos condicionados a enxergar, é difícil. Segundo as palavras do filósofo Heráclito: "A Natureza ama esconder-se". Assim, a busca por uma conexão com a Verdade é uma busca corajosa, que implica deixar antigas concepções de lado _ romper o vínculo com o conforto _ e arriscar-se numa profunda e dolorosa mudança de perspectiva.

 O Deus que habita em mim e nO qual acredito, é um Deus de Amor. Um Deus que não pune, mas acolhe. Um Deus que não pede sacrifícios, mas aceita o pecador. Se estar em harmonia com esse Deus me coloca em confronto com alguns dogmas que me ensinaram no decorrer da vida, é perante esses dogmas que minha realidade mudou.

 E mais uma vez cito Adélia Prado, a quem Padre Fábio de Melo dedica seu último livro com a seguinte frase: "Para Adélia Prado que, na intimidade de sua casa, confessou-me um desconsolo comovente: 'Esqueceram de nos contar que Deus é amor'".

 Esqueceram de nos contar que Deus é amor, que nós somos e carregamos a partícula divina; que a Verdade acolhe e não segrega; que o Amor abrange, e não distingue.
 Ao compreender a verdade de que ao pecador também é reservado o direito de sentir-se amado por Deus, sinto-me em paz e amparada por tranquila certeza. 

 O teatro de minha existência tem tido desfechos e novos atos cheios de curiosa busca por conhecimento. Meu desassossego tem me trazido paz, por mais paradoxal que isso seja.
 Por me tirar da zona de conforto, da mansidão do que é conhecido, e me lançar numa interação maior com aquilo que não é reconhecido pelos sentidos, mas que verdadeiramente existe e é.
 Por permitir-me abrir compartimentos trancados de intuição e completude ao Todo que nos rege.
 Por modificar a perspectiva que tenho do mundo e das pessoas.
 Por descobrir que falhas nos permitem avançar.
 E finalmente, por constatar que o que importa realmente é aquilo que ainda não sabemos ou estamos impossibilitados de enxergar _ os tais números entre o zero e o um, ou entre o um e o um milhão."O essencial é invisível aos olhos..."

                                                                                                                                FABÍOLA SIMÕES





Carta ao Tempo




 Querido tempo:
 Assim como a letra de Maria Gadú, quero fazer um acordo contigo.
 Nosso vínculo não tem sido o dos melhores, e cansei de ser submetida ao seu domínio. 
 Como já disse anteriormente, não desejo mais corridas em minha vida. E por mais que resista, você me faz correr. Por mais que declare independência, você insiste em me submeter.
 Já não quero mais ser controlada por você. O tempo dos relógios me cansa. E me faz perder tempo _ o velho paradoxo em que a vida dos ponteiros nos faz perder tempo na vida...
 Meu cotidiano foi invadido por compromissos, responsabilidades, horários. Tudo isso faz parte, você dirá, e até posso concordar com você _ é assim que educamos nossas crianças, não é? Desde muito cedo com um relógio no pulso e regras rígidas que compõem o que chamamos rotina.

 Mas se damos a mão, você quer o braço. Por isso sinto-me sugada por você, "senhor tão bonito". Não deveria ser assim.
 As regras não deveriam valer para mães, por exemplo _ mães de meninos que crescem depressa, enquanto cumprimos a aceleração dos ponteiros fora de seus horizontes.
 Também não deveriam valer para almoços de família com netos reunidos em volta de uma mesa barulhenta.
 Quebraria suas regras todo e qualquer pai que trabalhasse fora e só lhe restasse a noite para estar com sua família _ o tempo das estrelas poderia durar muito mais, antes dos pijamas chamarem para o sono...

 O senhor tem me feito uma pessoa diferente daquela que planejei. Tenho andado ansiosa, falando rápido e comendo apressada. Me enervo com o motorista lento à minha frente e peço para meu filho não enrolar diante da tv na hora de ir para a escola. Beijo meu marido sem olhar-lhe nos olhos e fico impaciente com as filosofias de minha mãe ao telefone. Aliás, parei de gostar de telefone por sua culpa ( acho que esse foi um ganho... ou não?). 
 Mas o pior é constatar que poderia andar mais devagar, não fosse o senhor me empurrando pra todo canto. Eu poderia escolher um CD bem bacana pra ouvir no carro enquanto o motorista vagaroso desfila à minha frente; poderia assistir ao Tom & Jerry com meu filho antes da escola e rir ao seu lado descontraidamente. Poderia agradar meu marido com uma presença simples, de semblante apaziguador; poderia conversar com minha mãe sem pressa e até gostar de um telefonemazinho de vez em quando.

 Mas sabe? O senhor está me esgotando. Pensando que é dono de meus caminhos e senhor do meu pulso, me conduz sem negociada compaixão. Porém, minhas pulsações cansaram de seguir o tic tac dos segundos em sua cadência compassada e ritmada. 

 Meu compasso é outro, e mesmo que minhas obrigações determinem certas programações, hoje peço-lhe alforria. Quero a paz dos libertos e a serenidade dos escolhidos.
 Não quero o tempo de Benjamim Zambraia _ da obra de Chico Buarque _ cujo prazo se esgotou no momento em que percebeu que poderia ter se detido 'nos momentos que lhe pertenciam, e que antes não soubera apreciar.' Ou que poderia, tarde demais, 'penetrar em espaços que não conhecera, em tempos que não eram o seu, com o senso de outras pessoas'.

 O tempo é relativo, dirão os físicos. Pra mim tem se tornado escasso onde quero demorar-me. E escolhi demorar-me no cheiro de canela, nas páginas de Phillip Roth, no cafezinho cara a cara com minha mãe, nos lençóis com meu marido, na bola rolando despretensiosa com meu filho. Longe dos relógios burocratas e compromissos agudamente pontuais.

 Por isso peço-lhe tempo. Sim, o tempo dos amantes quando se desentendem. Me dê um tempo. Tenho que repensar nossa relação tumultuada, nosso pouco entendimento, meu receio de tornar-me 'Benjamim Zambraia'.

 Pode ser que daqui a algum tempo eu me reconcilie contigo. Mas no momento presente, a pressa me desafia e não desejo afrontá-la.
 Quero apenas os momentos que me pertencem _ todos eles _ inteiros, sugados até o fim. Sem pulsações apressadas que me indiquem que é hora de partir.
 Quero ser dona de minha hora, senhora de meus minutos, consciente de minhas pausas.
 E aí então, pronta para o desfecho final, olhar satisfeita para a existência projetada do começo ao fim e constatar:
 Fui, vi e vivi. Realizada e feliz.
 Apesar do tempo, nesse tempo:
 Fim.

                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES   

A você, que me fez enxergar tudo o que eu poderia ter

 Algumas pessoas nos refletem melhor do que somos. São espelhos em que nossa imagem fica mais serena e brilhante do que realmente é. Através de seus olhos, nossa trajetória ganha contornos inusitados, como tela nua em que os pincéis dançam uma coreografia certeira até formar o significativo desenho. Perto delas, nossas cores se mesclam, e mudam do abstrato para o concreto num instante.

 Seu aniversário chega amanhã; e ontem, durante o jantar, tentei pensar no que lhe escrever. Eu, que fiquei devendo o cartão do Dia dos Namorados, não poderia ser duplamente abstinente. Não de você.

 Você, que há quatorze anos me fez enxergar o que eu poderia ter, e mais ainda, me permitiu descobrir o que havia em mim, além daquilo que eu simplesmente me restringia entender.
 Eu não sabia que poderia querer todas essas coisas que hoje fazem parte de nossas vidas juntos. Não sabia que haveria tanto chão em nossos pés e tantas asas em nossos planos. Que nossas mãos se uniriam mais nas dificuldades que na bonança, mas seriam cúmplices de uma alegria sem beiradas, enquanto enfrentariam os dias mais tempestuosos com uma delicadeza abissal e respeitosa à dor.

 Você, que também trouxe dúvidas, mas soube apaziguar as punições do amor com sua certeira generosidade. Você, que chegou quando a vida começou a doer, e trouxe um recanto para minhas fragilidades, uma enseada para meus devaneios tão inconstantes.

  Durante o jantar, não soube o que lhe escrever. Enquanto os garfos batiam nos pratos e bebíamos nosso vinho de todas as noites, nosso menino não parava de falar. Ele tinha desenhado uma fênix e queria colocar mais detalhes no papel. Eu jantava procurando a imagem na internet enquanto você falava sobre o carnê do INSS. Nossa rotina tão particular, tão nossa, interrompia meus pensamentos enquanto eu deixava o prato mais uma vez para atender ao telefone. Você dizia que eu não devia fazer isso _ "hora do jantar não é para ser interrompida"_ e eu concordava atendendo seu pai do outro lado da linha. Assim vivemos, assim envelhecemos juntos (ia escrever 'crescemos', mas percebi que essa fase de crescimento ficou lá atrás, rs!). Mas crescemos também, em nossas conversas, confissões no meio da noite, piqueniques escondidos no quarto de visitas, dificuldades e tempestades que enfrentamos amparados pelas mesmas mãos que hoje se agitam na torcida por nosso pequeno na natação ou no tênis, nas comemorações da escola ou em nossas vitórias tão particulares _ pequenas aos olhos do mundo, gigantes para nós dois.

 Ao pensar-me parte de nós dois, percebo o quanto nossas vidas se entrelaçaram. E lhe agradeço por ter despertado em mim a melhor definição que aquele esboço poderia tomar.
 Por ter permitido que eu trilhasse um caminho coerente comigo mesma; e principalmente, me ajudado a enxergar tudo o que a vida poderia me dar.

 Feliz Aniversário!
 Com amor,
                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES



   

O parto de um nome


 No site de Eliane Brum (http://desacontecimentos.com/nomes/), surgiu o desafio: "Com o sonho de construir um museu vivo de nomes encarnados, Eliane convida vocês leitores a narrar as histórias de seus nomes e como convivem com eles."
 Como sou fã de Eliane, topei o desafio. E ontem, enquanto aguardava na sala de espera do médico, surgiu o ensaio.
 Gostei de aprofundar em meu nome. Da palavra sinto-me surgir mais forte, agora que minhas letras atingiram sua forma menos rebuscada e mais constante, porém nunca definitiva.
 O texto que se segue é a história que narrei e enviei ao site de Eliane. É o texto que divido agora com vocês, e os convido a fazerem o mesmo. Pois como diz Eliane, "o nome nos precede. E contém, de certo modo, a história que vem antes da gente". Qual é a história com seu nome?

 O parto de um nome:

 Meu nome nasceu no entrelaçamento de mãos de meus pais. Enquanto ainda era sonho, fui gerada em apelido: Dobinha, a filha da Dobi _ apelido carinhoso que o pai deu à mãe.

 Um ano depois, já casados, o sonho tornou-se concreto nas contrações da quadragésima segunda semana de minha mãe; e vim ao mundo Fabíola, nome de princesa convertida, personagem título de um livro que meus pais leram em segredo um do outro, antes de se conhecerem. Por coincidência ou destino, grifaram o nome para usarem quando a hora permitisse. O tempo chegou me trazendo primeira numa família de três irmãos _ única mulher, única com nome de princesa mártir do Cristianismo (o título poderia ter sido um fardo, mas nunca dei importância a isso...)

 Cresci percebendo com certa estranheza que carregava um nome raro, por vezes difícil de ser escrito ou pronunciado. Desde muito cedo me habituei a auxiliar a grafia, do cartório à conta da padaria, repetindo com certo orgulho: "Escreve-se com 'O' e acentua-se o 'Í'..."

 Nunca houve outra Fabíola pra dividir a antecedência através do sobrenome na chamada de classe. Também não encontrei nenhuma nos corredores do trabalho ou academia de ginástica. Vez ou outra esbarro em alguma, mas a ausência de repetições me apazigua. Me traz o conforto de perceber-me única.
 Eu, que demorei tanto para separar-me da Claudete, minha mãe, e gerar-me independente, hoje valorizo cada letra do nome que me definiu tão cedo, mas que tem ganhado contornos mais simples e certeiros só agora, em minha narrativa madura, mais constante e menos consoante.

 Ao primeiro nome somaram-se os sobrenomes, e não diminuí nenhum ao arrematar o ponto final com o Lopes, que herdei da família espanhola de meu marido, há treze anos. Me assumi também Lopes, sem deixar de ser Brito ou Simões. Segundo as palavras de Mia Couto: "família não é coisa que exista em porções. Ou é toda ou não é nada".

 Porém, ao ingressar naquilo que hoje também me define _ escrever_ quis assumir-me apenas Simões. Se escolhi o "Simões" acima do "Brito" ou do "Lopes" foi porque esse lado da família ( herdado de minha mãe) me pareceu o mais artístico, cigano, e talvez o maior responsável por pulsar tanta sensibilidade em minhas veias. Imagino que lá atrás tenhamos sido artistas mambembes, saltimbancos ou donos de picadeiro; não conheço a trajetória e por isso deixo o pensamento voar. Tenho assinado mais Simões desde então.

 E lembro meu avô: O Simões da bengala e pão 'Câmbio Negro'. O Simões da Bíblia aberta e jogos de xadrez. O Simões do caráter inabalável e olhar certeiro. O Simões centenário, da barbearia e dos três casamentos. O Simões que enviuvou três vezes, e gerou minha mãe como a filha derradeira da último união. É esse Simões que trago comigo. O Simões da Dona Conceição, o homem que não comia enquanto todos não estivessem servidos.

 Já não sei contar tantas histórias do Vô ( mais vô que vovô) Simões _ era muito idoso quando me fiz Fabíola_ mas de uma forma que não sei explicar, é o sobrenome que escolhi sustentar, e que hoje me define também.

 Se fui gerada apelido, hoje firmo minha assinatura com mais vogais que consoantes, e gosto da forma redonda que ela toma, menos aguda com o passar do tempo, apesar do acento que teima em se manter no meio da palavra. É assim que quero ser: redonda, sem arestas, com mais consistência e maior consciência de mim. Carregando o legado dos Simões, dos Britos; e por convivência, dos Lopes.
 Assim existo, sendo filha do Jarbas de Brito e Claudete Simões, esposa do Luiz Lopes e mãe do Bernardo, que é Simões, Brito e Lopes, como eu.

 Porém, acima de tudo, sou as letras e acentos que compõem e costuram a narrativa única que escrevo de próprio punho, tentando _em vão _ segurar os vapores do tempo de minha própria existência.

                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES

Uma vida sem protocolo

 Há oito anos venho tentando minha redução de carga horária. Trabalhando 36 horas semanais num Centro de Saúde da rede pública de Campinas (atuo como dentista), tento protocolar meu pedido desde que meu filho nasceu. Porém, a solicitação deve seguir um caminho árduo, requerendo assinaturas desde minha chefia imediata, passando pelo Distrito de Saúde até ao secretário_ o último da cadeia geográfica dos postos burocráticos dentro da prefeitura.
 Durante os últimos oito anos, andei com minha solicitação em mãos, de coordenador em coordenador, pedindo gentilmente que assinassem meu pedido. Porém, alegando demanda reprimida no setor, nenhum visto, nenhum passaporte, nenhum carimbo, nenhuma rubricazinha sequer ocorria. Pra piorar, observações escritas em caligrafia tensa denunciavam minha importância imprescindível e irrevogavelmente reduzível.
 Essa semana, porém, uma pessoa próxima ao secretário dispôs-se a me ajudar. Me pediu o número do protocolo. Eu não tinha. Tentei explicar. Ela disse: "Sem número de protocolo, nada feito". Expliquei novamente. Sem chance. Então decidi redigir uma carta. Uma carta sincera, sem protocolo, uma carta direta ao secretário. Você envia? Envio. Obrigada. De nada.

 (Essa não é a carta que enviei, mas poderia ter sido.)

  Prezado Sr Secretário de Saúde:

 Eu não acredito que a profissão de uma pessoa seja a porção mais importante de sua vida. Não, eu nunca pude concordar com isso, e embora tenha aprendido que estudar, fazer uma faculdade e exercer um trabalho com dignidade seja o norte de qualquer vida, ainda assim, não concordo com o peso que alguns cargos ou ofícios possam ter no decorrer dos dias, meses e anos da existência de alguém.

 Busquei uma vida segura. Fui a pessoa mais básica desse planeta; desde os históricos do ensino fundamental até a prova do vestibular para odontologia numa faculdade federal no sul de Minas Gerais. Entrei para as aulas de anatomia e materiais dentários aos dezessete anos e aos vinte e um, já formada, prestei concurso para a prefeitura de Campinas. Passei. Fui designada para um 'postinho' pequeno na periferia, onde cumpria uma jornada comprida, até às dez da noite. Haviam dias em que as luzes dos corredores se apagavam e permaneciam apenas eu, o paciente, e o guarda que fazia a segurança noturna. Não, eu não me queixava. Era o início, e no começo a gente tem aquele gás, aquela vontade de mudar o mundo, de não recusar uma dor, de aceitar tudo o que lhe é posto no caminho. Além do mais, eu só tinha 21 anos, não possuía casa própria, nem marido, muito menos filho. Meu único desejo era ser a melhor profissional possível para aquela população carente. Me especializei aos 22 anos. Aos 23, me candidatei a um cargo como especialista e passei. Fui trabalhar num outro Centro de Saúde, maior e mais desorganizado (sim, des- organizado), próximo ao hospital público da cidade. Também dei tudo de mim. Precisava ser melhor a cada dia naquilo que fazia, e tratar os canais dos dentes da população, impedindo sua perda precoce, era o que me realizava na vida.

 Mas os anos passam, doutor. E embora continuasse me dedicando com afinco à cadeira odontológica, outros interesses vieram se somar à minha vida. Uma vida sem protocolos, mas muito valiosa para mim.

 Para o senhor ter uma pequena noção do tempo que me dedicava ao trabalho em sua prefeitura, quero lhe contar que conheci meu marido nos corredores do Centro de Saúde. Casamos, tivemos um filho.
 Mas sabe, as datas correm, as prioridades mudam.

 Chega uma hora em que é preciso fazer o caminho de volta. E embora eu tenha apenas quarenta anos _ sim, apenas, pois a expectativa de vida aumentou e portanto estou jovem ainda _ já vivi o suficiente para perceber que o quanto antes eu perceber que devo trilhar esse retorno, tanto antes posso me sentir mais realizada e feliz.

 Meus maiores presentes não se encontram dentro de uma carreira profissional, mesmo que isso me dê muita satisfação. Meus maiores presentes estão do lado de fora, em minha casa, no ninho que levei alguns anos de trabalho árduo para construir. É no meu refúgio que vejo meu filho crescer, e me entristeço quando passo o dia todo trabalhando e percebo que só tenho as últimas horas da tarde para usufruir de sua risada barulhenta e mãozinhas carinhosas, que crescem sem noção do desenrolar de minhas horas distante de casa.

 Não doutor, eu não quero uma vida em que o sol fique fora da janela e a voz de meu filho seja ouvida apenas pelo telefone. Quero sentir o vento nos cabelos e conversar olhos nos olhos com meu marido na hora do almoço.
 Eu preciso de uma vida sem protocolos, uma vida em que o respeito a mim mesma e aos que amo venha acima dos ganhos salariais.

 Ganhar menos para mim é ganhar mais, muito mais. Ao estabelecer minhas prioridades, percebo que não posso continuar numa carreira que não me ama como eu aprendi a me amar. Num trabalho que não aceita meus valores como parte do meu ofício também. Não quero me demitir. Gosto do que faço, já lhe disse isso? Gosto dos meus pacientes e da expressão de alívio que eles têm quando a dor vai embora. Gosto de ver a arcada recuperada e o sorriso preenchido outra vez.

 Mas também tenho uma vida fora dos jalecos. E preciso valorizar essa vida que lutei tanto pra construir. Meu pai e minha mãe trabalharam muito, sabia? E meu pai, principalmente, colocava o trabalho acima de tudo. Ele queria que seu pai, meu avô, se orgulhasse dele. Mas não deu certo da maneira que ele pensou que daria. E eu assisti a tudo, doutor. Assisti à glória e à decadência do império que ele construiu. E por isso tento trilhar um caminho diferente. Um caminho onde a família e os afetos vêm em primeiro lugar. Porque no final das contas, de que adianta todo sucesso e dinheiro do mundo se for para brindar sozinho? De que adianta bens e ações sem uma vida para usufruir? Não, doutor. Salário alto não me interessa agora.

 Consegui mais do que pretendia e como disse, é hora de fazer o caminho de volta. Quero caminhar na Lagoa com meu menino, aproveitar o resto do dia no meu quintal, atender aos telefonemas de minha mãe com menos impaciência aos detalhes. Quero deixar meu filho comer em paz sem mandá-lo "andar logo", como tenho feito nos últimos anos.

 Quero mais tempo doutor. Tempo tornou-se artigo raro e preciso daquilo que muita gente chama de supérfluo, mas que pra mim é luxo: ler um livro na rede, conversar com a D. Jandira que trabalha lá em casa, tomar um cafezinho na padaria com minha mãe, ouvir Caetano cantando um dueto lindo com Maria Gadú e me emocionar na parte "Ah... Neguinha... Deixa eu gostar de você..."

 Entende doutor? Ainda não? Não tem problema, eu não o culpo. Muita gente que conheço ainda não entendeu também. Mas é porque a vida ensina de diferentes maneiras, e eu tive a sorte de ter sido espectadora desse tipo de "falta de tempo pra vida" ainda muito menina, como lhe disse. Eles tinham que ir, para provar que eram capazes. E isso tem sua beleza também. Mas o preço é alto, e sorte de quem percebe isso antes do tempo.

 Minha hora chegou. Tenho quarenta anos e não desejo mais corridas em minha vida. A única corrida que anseio é contra o tempo. Aproveitá-lo com quem eu amo e segurá-lo em meus registros de memória é o combustível que me move. Escrever sobre o que vejo também. Por isso doutor, diminua o peso em minhas mãos envolvidas em luvas de borracha. Me permita reduzir o tempo nos jalecos e aumentar a poeira em meus cabelos. Que minha existência seja inundada por milagres cotidianos, aqueles que só os que têm uma vida sem protocolos são capazes de enxergar.
 Com meus sinceros agradecimentos,
                                                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES


Imagem do post: Phoebe Wahl